O caráter transformador e contagiante da empatia

Em tempos tão desafiadores, se colocar no lugar do outro se tornou ainda mais necessário. Ter empatia pelo próximo, considerando e respeitando os sentimentos alheios é a chave para quem busca a transformação no mundo.

Embora estejamos cada vez mais conectados, devido aos recentes avanços tecnológicos e internet, ainda nos falta conexão com as pessoas, com a natureza e com o mundo em que vivemos. E apesar de parecer difícil, praticar a empatia é mais simples do que imaginamos.

Você não precisa mudar para ser como o outro, mas sim compreender e respeitar a existência das diferentes realidades além da sua. Muitas pessoas nem tiveram a possibilidade de escolha, elas simplesmente nasceram ou vivem em uma realidade com pouco ou nenhum acesso aos direitos básicos fundamentais.

Colocar a empatia em prática é olhar para o próximo e entender que podemos contribuir para um futuro diferente da realidade em que vivem hoje, fortalecendo a humanidade por meio da cooperação. Ter empatia é se colocar no lugar do outro, entendendo que todos juntos somos parte de um mesmo mundo e merecemos a felicidade.

 

Apadrinhar uma criança é um ato de empatia

 

No Brasil, existem milhões de crianças em situação de vulnerabilidade social, com seus direitos fundamentais violados. No nosso blog, você pode ler diferentes artigos com as informações mais recentes sobre a vida dessas crianças e adolescentes. Problemas como a fome, a violência, a evasão escolar, a falta de saneamento básico, o trabalho infantil.. tudo isso ainda está muito presente em nosso país.

Compreender e acolher a história de uma criança que vive em uma das situações acima citadas, contribuindo para que ela consiga desenvolver seu potencial máximo e, desta forma, possa transformar o seu futuro, é sinônimo de empatia. É a forma de ser parte de uma mudança positiva, em busca de um mundo melhor e mais justo.

E como você pode fazer isso? Apoiando o ChildFund Brasil. Com mais de 50 anos de história, atuamos por meio do apadrinhamento. Nossas ações possibilitam, anualmente, a transformação na vida de mais de 130 mil pessoas através de programas que impactam no dia a dia de milhares de crianças, adolescentes, famílias e comunidades.

Ao apadrinhar uma criança você contribui com um fundo coletivo que financia a realização de projetos e de atividades das quais a criança e sua família participam.

Todas as ações são informadas aos padrinhos por meio de cartas e telefonemas, bem como de boletins periódicos, e-mails e mensagens via WhatsApp. Além disso, é possível programar visitas supervisionadas.

O apadrinhamento proporciona não só o desenvolvimento individual da criança, mas também oferece melhores condições para todo o ambiente em que ela está inserida. O objetivo do ChildFund Brsil é dar condições para que a criança e o adolescente atinjam seu pleno potencial de desenvolvimento.

Com empatia contribuímos para que essas crianças e adolescentes tenham autonomia para buscar um futuro melhor, cheio de oportunidades.

 

A pandemia e a empatia

 

Pode parecer que é o contrário, mas a pandemia da Covid-19 tem tornado as pessoas mais individualistas, dificultando a capacidade de se colocar no lugar do outro, Quem afirma isso é a pesquisa “Adaptação social em estresse na pandemia de covid-19: um estudo transcultural”, coordenada pela UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), em parceria com mais 24 países de quatro continentes. O objetivo do estudo é compreender as mudanças sociais e as percepções pessoais em relação à ameaça representada pelo coronavírus.

Na primeira fase, a pesquisa observou os temas ansiedade, empatia, estresse, suporte e comportamentos sociais e culturais entre os países participantes. As respostas mostram que os brasileiros estão entre os mais estressados e as causas são o baixo nível de empatia, grande desgaste emocional e o aumento do individualismo.

Somado a isso, o número de cidadãos que vivem abaixo da linha da pobreza triplicou no Brasil em meio à pandemia do coronavírus, e atinge cerca de 27 milhões de pessoas, o que representa 12,8% da população brasileira. É o que aponta o levantamento feito pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). A falta de políticas públicas e os altos níveis de desemprego nos conduziram para o pior cenário da pobreza no Brasil nos últimos dez anos.

Ou seja: no momento em que o mundo mais precisa, as pessoas estão deixando esse sentimento tão importante de lado.

 

Empatia é o antídoto para combater o individualismo

 

Mesmo diante de tantos desafios, colocar a empatia em prática é a melhor forma de combater o individualismo e ainda inspirar para que outras pessoas também entendam e façam mais pelo bem-estar social como um todo.

A professora e pesquisadora da Universidade de Houston, Brené Brown fala sobre a necessidade de aceitarmos a imperfeição e a vulnerabilidade do ser humano, já que só assim teremos condições de conseguirmos nos colocar no lugar do outro.

E para sermos mais empáticos, precisamos entender que:

  • As perspectivas de outras pessoas também devem ser consideradas verdadeiras
  • Os julgamentos precisam acabar
  • É necessário reconhecer as emoções em outras pessoas
  • O ser humano é vulnerável
  • Devemos escutar mais
  • É importante ter mais sensibilidade pelo próximo
  • A diversidade existe e que devemos conviver bem com ela
  • A visão do mundo pode ser ampliada
  • As escolhas do outro devem ser compreendidas e respeitadas
  • Devemos ter mais inteligência emocional
  • O diálogo é essencial

 

Quer ajudar uma ONG?

 

Se você quer ajudar uma ONG, procure por entidades e instituições que façam um trabalho responsável. Assim, você pode ficar tranquilo de que sua contribuição está indo além da sensibilização para, de fato, possibilitar a transformação de vidas.

O ChildFund Brasil, por exemplo, deixa disponível no seu site a prestação de contas ano a ano para que as pessoas possam consultar onde os recursos são aplicados. Os dados estão disponíveis nos Relatórios de Sustentabilidade. É uma maneira de estabelecer uma relação de confiança com quem contribui e também para a sociedade como um todo.

Quer saber como o apadrinhamento pode transformar vidas? Então leia este artigo “Apadrinhamento: 3 vezes que um padrinho apoiou para que uma criança mudasse sua própria trajetória”.

Se você quer contribuir para a mudança dessas crianças a adolescentes, apadrinhe. Saiba mais aqui. Sua atitude pode salvar vidas!

Related Post

ChildFund Brasil

O ChildFund Brasil é uma organização de desenvolvimento social que por meio de uma sólida experiência na elaboração e no monitoramento de programas e projetos sociais mobiliza pessoas para a transformação de vidas. Crianças, adolescentes, jovens, famílias e comunidades em situação de risco social são apoiadas para que possam exercer com plenitude o direito à cidadania.

LEIA TAMBÉM