Apadrinhamento financeiro x doação: diferenças e benefícios

Quem opta por tomar uma atitude em benefício de cidadão em situação de risco social ou por uma comunidade cheia de privações, pode fazê-lo de diversas maneiras. São várias as associações e organizações sociais que possibilitam aos cidadãos comuns tornarem-se partícipes da mudança da realidade em nosso país. Por isso, é importante saber modalidades disponíveis para você tornar a seu ato altruísta ainda mais significativo, com impactos reais e comprovados.

E é para isso que gostaríamos de sua atenção nesse post: para compreender bem o que significa o apadrinhamento financeiro e a doação e, assim, estar ainda mais informado para arregaçar mangas e ajudar a mudar a situação de nosso país. É bom que fique claro: nosso propósito aqui é esclarecer quanto a essas modalidades e as possibilidades disponíveis de ajuda. Temos absoluta confiança que, ao detalhar essas informações, você ampliará seu conhecimento acerca de como ajudar a mudar o mundo.

Bônus: Veja em apenas 5 passos como escolher a Ong que merece a sua confiança

Mas… não estamos falando tudo de doação?

Sim, todo nobre gesto pode ser compreendido como uma doação. E isso não inclui somente o dinheiro. Por exemplo: o voluntariado é uma extraordinária forma de doação, para aqueles que compartilham seu tempo, seu conhecimento técnico ou qualquer outro bem que possua para ajudar a quem mais precisa. Na era da internet, outra forma bem difundida é o voluntariado digital.

Pela modalidade de doação financeira, há também inúmeras formas de ajudar, com projetos incríveis e impacto social comprovado. Normalmente, ela é caracterizada por doações esporádicas, isto é, você seleciona uma organização social e um projeto específico e o valor investido acaba sendo destinado para a realização de uma ação pontual e específica, para resolver uma demanda situacional daquela comunidade, por exemplo.

Para entender como isso ocorre na prática, basta conhecer algumas oportunidades de doação para a realização do ChildFund Brasil. Para os cidadãos comuns (ou doação por pessoa física), a organização social oferece a oportunidade de investir em vários projetos, como a ajuda para financiar: o kit Esporte e Cidadania, o kit pedagógico Aprender Brincando, o kit Pomar e Horta Domiciliar ou mesmo o kit Criação de Galinhas. Nesses casos, o doador pode conhecer a fundo cada uma dessas (e de outras) propostas disponíveis para, então, escolher com qual irá contribuir.

No caso de empresas, não é muito diferente não: há inúmeras possibilidades de realização da doação corporativa, entre elas: doações financeiras; o fornecimento de produtos customizados para que a associação comercialize (e fique com o lucro); o voluntariado empresarial (no qual a empresa firma acordo com uma ONG para que seus colaboradores internos tenham envolvimento voluntário); chegando até ao financiamento de projetos, modalidade que permite que a empresa custeie toda a aplicação de projeto apresentado por uma organização social. Dê uma passada no post Guia completo sobre doação.

doação

E o que isso tem de diferente do apadrinhamento financeiro?

Em linhas gerais o princípio é o mesmo, diga-se de passagem. A grande diferença (e talvez isso torne o apadrinhamento financeiro tão especial) é a possibilidade de assumir o compromisso de transformação de uma criança em situação de extrema pobreza, para que ela tenha todas as suas necessidades atendidas e, especialmente, consiga de fato ter condições de vislumbrar com um futuro melhor.

“Ah, mas isso só serve para pessoa física, né?”, alguns aí do outro lado da tela podem pensar. Ledo engano: o ChildFund Brasil cada vez mais recebe a procura de empresas interessadas em realizar o apadrinhamento corporativo, que envolve contribuir financeiramente com uma ou mais crianças em situação de pobreza, oferecendo reais condições para o desenvolvimento dela.

É bom sempre lembrar que o apadrinhamento financeiro não se refere a apadrinhamento real da criação (ou adoção, como é mais conhecido). O procedimento financeiro não implica em passos jurídicos e burocracias. Trata-se de um compromisso capaz de trazer transformações reais e que ficaram marcadas para sempre na vida da criança.

Quer ver como é simples? Abaixo, três passos que mostram como é possível realizar o apadrinhamento financeiro pelo ChildFund Brasil, aí mesmo do seu celular ou computador:

1º passo — escolha: você acessa essa página onde há o nome de crianças de diversas localidades do Brasil. Há um breve resumo da história dela, além da data de nascimento e idade. Há pessoas que escolhem pela cidade ou até mesmo pelo primeiro nome ser igual ao de filhos ou amigos que têm grande consideração.

2º passo — estabeleça um compromisso: você assume um compromisso de contribuição mensal que será utilizada na implantação de programas e projetos que ajudam no desenvolvimento de crianças, suas famílias e comunidades. O processo de doação é bem descomplicado e, principalmente, seguro.

3º passo — acompanhe: tão importante quanto estabelecer seu vínculo e compromisso é ter certeza de que a sua doação está sendo bem empregada. Nesse caso, o ChildFund Brasil oferece a oportunidade para que você possa corresponder-se com a criança, por meio de cartas, fotos, ligações e até agendar uma visita. Não é incrível?

Bônus: Conheça histórias transformadoras de crianças que mudaram de vida com doações e vivencie esse sentimento indescritível da solidariedade

Esse processo é tão inspirador que já tem ajudou a vida de milhões de brasileirinhos que, graças a pessoas solidárias, tiveram o destino de suas vidas transformadas a partir do apoio de ações desenvolvidas pelo ChildFund Brasil. São inúmeros os relatos de contribuintes que atestam a seriedade e transparência desse trabalho. Tem um ebook gratuito que expressa muito bem essa gratidão daqueles que são amparados por esse programa. Vale, sim, você baixar o conteúdo, clicando aqui.

Como saber para que organização social devo doar?

Fique bem atento a esse ponto: tanto na doação esporádica quanto no apadrinhamento financeiro, é essencial que você selecione muito bem a organização na qual você depositará sua confiança. Só no Brasil há mais de 340 mil iniciativas da sociedade civil que contam com apoio popular e doações privadas, conforme cálculos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Listamos abaixo cinco pontos essenciais que você deve levar em consideração na hora de selecionar a entidade filantrópica:

– Pesquise a história e o tempo de existência da Instituição

– Avalie parceiros com quem a organização social se relaciona

– Identifique se os projetos realizados possuem impacto social

– Observe se há transparência dos resultados

– Tome nota se há facilidade e segurança ao efetuar doação

Esses pontos são bem desenvolvidos em um ebook gratuito que já pintou aqui no blog também, que orienta sobre “Como escolher uma ONG de confiança.

TROCANDO EM MIÚDOS: as duas formas são importantes e precisam muito da colaboração de todos nós. A nossa recomendação é pelo apadrinhamento, pois acreditamos que esse vínculo de longo prazo pode trazer resultados extraordinários na vida de tantas meninas e inúmeros meninos que não tiveram a mesma oportunidade que nós.

E a atitude altruísta tem um resultado na vida de quem doa que poucos conseguem explicar: quanto mais se doa de si, mais satisfeito e alegres ficamos. Palavras são insuficientes para descrever isso. Por isso, convidamos você a tomar essa atitude transformadora de apadrinhar financeiramente uma criança. Visite agora a página e faça a sua parte!

Continue ligado aqui no blog para saber o que podemos fazer para melhorar a vida de crianças em situação de pobreza. Se ficou com alguma dúvida, não hesite em deixá-la logo aqui abaixo, nos comentários 🙂

Related Post

ChildFund Brasil

O ChildFund Brasil é uma organização de desenvolvimento social que por meio de uma sólida experiência na elaboração e no monitoramento de programas e projetos sociais mobiliza pessoas para a transformação de vidas. Crianças, adolescentes, jovens, famílias e comunidades em situação de risco social são apoiadas para que possam exercer com plenitude o direito à cidadania.

LEIA TAMBÉM