3 Formas de Denunciar a Violência e o Abuso Infantil

Proteger a criança ou o adolescente que vive em situação de risco à sua integridade é um dever do Estado, mas também uma responsabilidade social. Segundo dados da Secretaria de Direitos Humanos, cerca de 70% dos casos de violência e abuso infantil e exploração de adolescentes no Brasil acontecem dentro de casa, ou seja, agressores e vítimas, muitas vezes, convivem diariamente no mesmo ambiente.

 A violência pode ser física, psicológica, sexual ou por negligência. As consequências são diversas, mas todas convergem para o prejuízo causado no desenvolvimento saudável desses jovens. Ansiedade, depressão, fobias, tentativas de suicídio, agressividade, baixo rendimento escolar e problemas de autoestima são algumas das adversidades que surgem para quem é violentado durante a  infância. As consequências são tão graves porque acontecem em uma fase de formação do indivíduo, na qual deveria ser amparado e instruído com sabedoria pelas figuras adultas e responsáveis por zelar por seu bem-estar.

A Constituição Brasileira, em seu Artigo 227, afirma que: “é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

Fica claro, portanto, que modificar a realidade de crianças nessas condições é um dever de todos nós. Algumas medidas são básicas, e iremos listar 3 delas para que você, agente social tão importante nesta causa, possa atuar e contribuir para que a infância seja preservada.

  • Conhecimento do canal de denúncia

O Conselho Tutelar é o principal órgão de defesa da criança e do adolescente. Qualquer cidadão pode fazer uma denúncia anônima sobre casos de maus-tratos e negligência, e eles serão apurados pelos dirigentes deste conselho. A denúncia deve ser feita pelo Disque 100.

  • Compartilhamento de informações

Sempre que o assunto for pauta de discussão onde você estiver presente, compartilhe o que você sabe a respeito, como o número do Disque Denúncia, e o que é preciso informar: nome da vítima, local onde aconteceu ou acontece a situação, quem comete o crime contra a criança, quem são os responsáveis por ela e qual o tipo de violência que a criança está vulnerável.

  • Assistência a ONGs

Se for possível, procure Organizações que atuam para o combate ao problema, como o ChildFund Brasil. A assistência é necessária para que se alcance o maior número de crianças em situações de risco. Sua contribuição pode garantir que elas sejam cuidadas, tanto física quanto psicologicamente.

Este é um assunto tão relevante que é cogitado, até mesmo, como tema de redação do principal vestibular do Brasil, o Enem. A justificativa é que, dessa forma, a visibilidade para o assunto seria ainda maior, já que iria propor que milhões de candidatos, que prestam o exame todo o ano, refletissem criticamente sobre medidas para que a violência contra a criança e o adolescente acabe.

É preciso promover continuamente a discussão sobre o assunto e a divulgação de alternativas para o combate ao problema, para que a sociedade se mobilize para transformar a realidade de muitas crianças.

 

Guestpost

Este conteúdo foi produzido por uma empresa parceira do ChildFund Brasil.

LEIA TAMBÉM